domingo, 28 de dezembro de 2014

Feliz Natal


"Coisas ruins acontecem ás vezes com as pessoas boas, não existe um motivo porque as coisas acontecem, elas só acontecem. A dor vai embora e no tempo certo será substituída pelas lembranças do passado. Você esquecerá a dor e começará a lembrar da alegria que ele trouxe pra sua vida"

"Nós, por alguma razão, achamos difícil, nos desprender do passado, não estou dizendo que não há espaço para lembranças, o que estou dizendo é que não se pode viver o hoje no passado, se não o seu futuro será exatamente igual ao ontem. Também não se pode viver só no futuro, se não o hoje apenas passa por você, o único modo de realmente ser feliz é se contentar com o presente.
Conecte-se com o momento"
Menino de ouro

Queridos pais de anjos, sei que essas datas comemorativas como Natal e Ano novo são realmente mito difíceis para nós. Muita saudade, muita lembrança do que foi vivido e do que poderia ter sido vivido... tudo com muita dor.
Essa semana vi esse filme que citei nos trechos acima, lindo, realmente inspirador. E percebi que o que o garoto fala no filme realmente é verdade. Minha dor foi embora, sinto saudade da minha pequena Cecí, penso todos os dias como seria se ela estivesse aqui, mas sem dor, apenas com saudade. Eu não acreditava que essa dor iria passar algum dia, algumas pessoas me diziam isso e eu pensava... como vai passar, impossível. Pois é amigos, mas é verdade, ela alivia. 
Segredo para isso? Uma fórmula mágica? ... O tempo, aceitação e fé.
O pior momento pra mim era acordar, sentia um aperto no peito que com o passar do dia aliviava. Agora acordo e sinto uma paz que a 2 anos não lembrava como era... sei que isso vai acontecer com todos vocês.
Acreditem num futuro melhor, num 2015 com muitas renovações e principalmente muito amor. Nossos anjos estarão sempre nos vigiando e torcendo para nos ver felizes novamente.
Um feliz Natal e um 2015 com muito amor e fé

domingo, 21 de dezembro de 2014

Vencendo os traumas


Oi queridos pais de anjos e amigos, venho aqui pra contar pra vocês mais um trauma vencido...
Na gravidez da minha anjinha Cecília não pude curtir o chá de bebê que ja estava todo organizado, ela nasceu 4 dias antes. Confesso que cada vez que escutava a palavra chá de bebê tremia dos pés a cabeça. No chá da minha primeira irmã que teve bebê depois que a ceci virou anjinho não consegui ir, era tudo muito recente. No da minha segunda irmã que teve bebê fui, não chorei e ainda organizei tudo, mas com o coração apertado.
Quando engravidei do Gabriel tinha muito medo de pensar no chá, minha sobrinha, minha irmã e uma amiga me cobravam muito isso... que eu tinha que fazer, que dessa vez ia ser diferente e confesso que se não fosse elas não sei se teria coragem sozinha pra organizar tudo. Enfim o chá começou a ser organizado, mas com meu coração na mão. Dias antes só pensava se conseguiria esta la e bem para aproveitar.
Agora posso dizer que o chá foi um sucesso... estava tudo lindo graças a minhas duas queridas amigas Mila e Tici que além de organizar tudo me apoiaram e me incentivaram a crer que meu Gabriel merecia tanto quanto a Cecí. Obrigada meninas!!!
Minha gestação esta perfeita, pressão normal, ele com peso e tamanho normal, parece um sonho...
Penso sempre se minha pequena estivesse aqui pra ver a preparação pra chegada do mano, mas sei que ela deve estar orgulhosa da mamãe e do papai que a cada dia vencem mais um medo.
Tenham fé mãezinhas, sei que Deus vai sempre olhar por nós e nos dar uma nova oportunidade de ser feliz!!!
Beijos no coração de todas

terça-feira, 18 de novembro de 2014

A gaiola das certezas!



Pois é queridos pais e mães de anjos, nossa vida daqui pra frente se baseia nas incertezas, o que conforme o texto acima não é uma coisa ruim...
Na gravidez da Ceci não tinha medo algum, nunca tive dúvidas sobre a saúde da minha pequena, e mesmo com ela na UTI sempre tive certeza que a traria pra casa, talvez por isso o golpe de te-la perdido tenha sido tão cruel. Meu mundo caiu, minhas certezas desmoronaram e simplesmente não sabia mais o que fazer da minha vida.
Durante meses fiquei em algum lugar que nem eu conhecia, num escuro... num vazio completo. Com o passar do tempo fui me habituando com essa sensação de impotência perante as leis divinas e entendendo que não podemos mudar os fatos, ou concordamos com eles e seguimos a vida, ou brigamos com eles e nos tornamos pessoas amargas e eternamente tristes.
Por isso agora estou mais tranquila com a "ausência de certezas, com o vazio do espaço". Claro que grávida novamente tenho muitos medos, traumas que tento vencer principalmente agora no último trimestre de gestação que se aproxima, mas se antes tinha tantas certezas e nada deu certo, talvez agora com tantas incertezas e medos as coisas darão certo.
A única coisa que tive e tenho certeza é que não podia desistir do meu sonho de ser mãe novamente, mesmo que pelo lindo gesto de adoção. Se não tentasse, mesmo com o medo, estaria presa em uma gaiola, que conforme o autor acima, é onde as certezas moram!

Só para constar eu e o Gabriel estamos indo bem... ele crescendo e a mamãe dele cada vez mais preocupada. Mas faz parte, estranho seria se eu não ficasse assim não é! Já estou fazendo US Doppler e monitorando a pressão. Se Deus nos permitir estaremos nos vendo pela primeira vez daqui a dois meses e meio, até la muita oração e fé.
Fiquem com Deus
Ps: na foto o Gabriel com 24 semanas de gestação


quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Pais enlutados (por Instituto de Psicologia Quatro estações)



Queridos pais de anjos, me atrevi a copiar um texto ótimo sobre o luto escrito por uma psicologa. Acredito que, no inicio devemos mesmo deixar o tempo passar, mas quando a dor se prolonga por muitos meses acho realmente que deveríamos procurar profissionais especializados. Posso dizer isso pois acho que demorei a procurar ajuda, com 9 meses da perda da Cecília comecei a ter insonia, perda de peso, irritabilidade, comportamento anti social, enfim, coisas que talvez poderiam ter sido evitadas depois de tanto tempo da perda do meu anjo. Depois disso estava no limite das minhas forças e procurei uma psiquiatra e uma psicologa que me ajudaram muito. Sei que cada pessoa sabe a hora em que não suportamos mais sozinhos, mas cuidado, as vezes quando chegamos no limite percebemos que para algumas coisas é tarde de mais. Não podemos deixar essa perda nos afastar daqueles que amamos e que ainda permanecem aqui, mas sim nos unir a eles cada vez mais. 
Um beijo no coração de todos 


A dor de perder um(a) filho(a) é para sempre?

 · Perda de filhos
 A perda de um filho implica num tipo muito particular de luto, pois solicita adaptações tanto sob os aspectos individuais de cada um dos pais no enfrentamento desta situação, como em adaptações na relação com o(a) esposo (a), no sistema familiar e na sociedade.
 Quando perdemos um filho perdemos nossa perspectiva de futuro pois é neles que garantimos a possibilidade de realizar todos os sonhos e projetos que não conseguimos em nossas próprias vidas. Um filho não é apenas uma extensão biológica de seus pais, mas também psicológica, por isso temos a sensação que perdemos um pedaço de nós.
· Reações à perda de filhos
 O luto por um filho é marcado por muita culpa e revolta, e por algum tempo a pessoa chega a "brigar" com Deus, por não conseguir entender (aceitar) o porque de estar vivendo uma dor tão intensa.
 As reações ligadas à perda de um filho dependem de alguns fatores como:
 - a relação prévia entre pais e filho. Por exemplo: quando existem conflitos no relacionamento, os pais sentem-se mais culpados após a perda de seu filho.
 - a idade do seu filho: não existe uma idade pior, mas em cada etapa da vida existem fatores que dificultam a elaboração da perda, como por exemplo na adolescência, fase em que existem maiores chances de conflitos entre pais e filhos.
 - as circunstâncias da perda: o quê aconteceu, como aconteceu, as causas da perda.
 - Um número grande de sintomas fisiológicos podem acompanhar as reações psicológicas e sociais dos pais, como por exemplo: anorexia, distúrbios gastrointestinais, perda de peso, insônia, cansaço excessivo, choro, palpitações, estresse, perda do desejo sexual ou hipersexualidade, falta de energia e retardo psicomotor, respiração curta.
 E o que acontece no casamento?
 O casamento sofre um grande impacto com a perda de um filho. As características do relacionamento obviamente serão afetadas pela maneira como cada um dos parceiros expressa sua dor. A comunicação tende a complicar-se pois a mãe pode sentir sozinha em seu luto, enquanto o pai pode se ver lutando para conter sua dor a fim de poupar o sofrimento da esposa. Estas tentativas de evitar o sofrimento do outro, por muitas vezes gera um distanciamento tão grande nos casais, que não é incomum ocorrerem separações após a perda de um filho.
· Perdas paralelas ou secundárias
 Quando perdemos um filho, perdemos também todas as suas funções explícitas e implícitas dentro do funcionamento familiar, por exemplo: companheiro da mãe, o "bode expiatório", o apaziguador, etc. Neste momento, podem ocorrer outros tipos de perda, como a separação dos pais, dificuldades financeiras após os gastos com o funeral.
· Lidando com os filhos que ficaram
 Não é incomum os pais atribuírem qualidades santificadas ao filho morto, como "o favorito", "melhor", "mais sensível", ou "especial". Isto pode intensificar as experiências de luto dos pais como dos irmãos. Podem acontecer as comparações entre os filhos vivos e o filho idealizado que morreu. É bom lembrar que esta criança também está sofrendo pois perdeu um irmão, e porque vê seus pais sofreram de forma tão intensa como se ele não fosse capaz de amenizar dor nenhuma. Isto pode trazer sérias complicações para o desenvolvimento psicológico deste irmão. Por outro lado os pais vivem sentimentos ambivalentes em relação aos filhos que "sobreviveram" pois sentem medo de investir afetivamente nestes, ou por outro lado, passam a superproteger, com medo de perder estes também. Isto muitas vezes tem um caráter de castigo por terem sobrevivido no lugar do irmão morto.
· Lidando com o seu luto
 Só você sabe o que esta perda representou para você, portanto respeite-a. Se você entender o seu ritmo e seus limites para enfrentar a adaptação à esta perda, você irá lentamente se organizando diante deste sofrimento. Esta dor é para sempre? De certa forma sim, porque um vínculo com um filho é único e para sempre, mesmo que a distância. O que acontece é que a ferida aberta passa aos poucos a cicatrizar-se, mas nunca se apagará. Você irá se alimentar desta dor por muito tempo, mas aos poucos irá perceber-se divertindo-se, produzindo, trabalhando, enfim, vivendo novamente, mas não será a mesma pessoa de antes, pois esta experiência fará você rever uma série de valores, crenças e comportamentos.
· A hora de pedir ajuda
Peça ajuda quando perceber-se em algumas das situações citadas abaixo:
- sente vários dos sintomas fisiológicos citados acima;
- sente muitas dificuldades de compartilhar o sofrimento com o(a) parceiro(a);
- não consegue relacionar-se com os filhos que ficaram;
- não sente vontade de comparecer à eventos sociais já faz um pelo menos seis meses;
- ninguém consegue ouvir você lembrar tudo o que aconteceu;
- sente-se culpado por brigar com Deus;
- não conseguiu desvencilhar-se de nenhum objeto ou roupa do filho, mesmo após um ano de
sua perda.

Gabriela Casellato
Quatro Estações - Instituto de Psicologia
R. Caçapava, 130 01408-010 São Paulo - SP
www.4estacoes.com info@4estacoes.com

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Notícias do Gabriel


Oi queridos amigos do blog... vim dar notícias sobre nós!!!
Estamos bem, com 21 semanas de gestação e minha pressão está ótima. O Gabriel já esta com 403 gramas e mexendo muuuuuito.
Vou no obstetra amanhã, mas pelo o que ele me disse na última consulta ja vou iniciar a medicação para hipertensa, mesmo sem a pressão ter alterado, é profilático. Estou sendo medicada com AAS desde antes de engravidar, também como medida profilática.
Pelo que tenho lido alguns médicos optam por este tratamento em casos de mães com histórico de pré-eclampsia como o meu, mas por favor consultem os seus médicos antes de tomar qualquer iniciativa.
Estou aprendendo a conviver com o medo, mas sempre consigo "dominá-lo". No centro espirita que frequento me recomendaram conversar bastante com meu filhote para que ele saiba que este medo não me impede de ama-lo cada vez mais e por incrível que pareça ele entende, pois quando falo isso pra ele já começa a "festa" na barriga.
Na medida que for fazendo outros exames específicos vou postando para que mães que passaram por situação semelhante possam saber quais as opções de tratamento quando a nova gestação ocorrer.
O que notei de diferente dessa gestação para a outra é que minha barriga esta bem maior, e me sinto ótima agora, da Cecí sempre me sentia cansada e enjoada. Outro detalhe é que o Gabriel mexe infinitamente mais que a Cecília (talvez pela quantidade de liquido que na da Ceci era pouco). Mas como dizem que cada gravidez é diferente da outra prefiro confirmar tudo isso com exames.
Tivemos uma semana conturbada, nosso cavalo que era como um membro da família resolveu se juntar as minhas amadas vó e a Ceci, ficamos realmente muito tristes, mas cada mexida do Gabriel nos mostrava que não podemos nos abater, temos de ser fortes por eles e por nós.
Fiquem com Deus e nunca esqueçam que tudo tem seu tempo e sua hora... esperei por muitos meses a chance de ser mãe novamente e não entendia pq demorava tanto. Por isso sei que as vezes nos desesperamos e fica difícil de "aceitar" todas essas vicissitudes, mas um dia iremos entender os propósitos de Deus. Um dia realmente espero entender...
Um grande beijo

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Gabriel

Gabriel... meu novo anjo a caminho da terra

Queridos pais de anjos, como estão? Espero que melhorando um pouquinho a cada dia. Mesmo que tenham dias de retrocesso, o outro será de grande adiantamento... acredite.
Estou aqui novamente para contar o sexo do meu bebê... é um menino!!! Seu nome será Gabriel que significa enviado por Deus. Bem apropriado né!
Essa semana foi complicada, com muito medo antes do US, cheguei a ter novamente problemas para dormir. Mas graças a Deus ele estava lá, mexendo, lindo, e mostrando que para nós que era um meninão!!! Foi uma felicidade sem fim.
Agora tenho que trabalhar esse medo e não deixar que ele me impeça de curtir essa gravidez. Ainda não tinha tirado fotos da barriga, não tinha pensado no chá, tudo por medo. Mas ai na semana passada passada resolvi com medo mesmo enfrentar e curtir como eu posso. Tirei foto da barriga, postei no face, coisa que até agora com 4 meses de gestação ainda não tinha feito, já estou pensando no chá... enfim, não posso deixar que o Gabriel perceba minha insegurança.
Tenho a dizer para vocês que não esta sendo fácil, nem um pouco, mas sei que cada chute que ele da já faz tudo valer a pena.
Agora tenho que pensar no que fazer com as coisinhas da Cecília, estava guardando caso fosse menina, mas agora não tenho nem espaço para guardar. E é tudo tão ROSA que acho improvável ele aproveitar algo. Vou pensar ainda no que fazer com tudo, mas ainda é muito difícil me desfazer de todos aqueles vestidinhos lindos, lacinhos, tiaras, tudo tão lindo!!!
Se alguém tiver experiência parecida e já conseguiu se desfazer das coisinhas de seu anjo comente, se não diga tb o pq. Eu não sei explicar, mas ainda é muito difícil pra mim, mesmo já tendo outro anjo a caminho em minha vida
.
Fiquem com Deus


“Nada te perturbe, nada te amedronte, tudo passa. A paciência tudo alcança. A quem tem Deus nada falta. Só Deus basta” (Tereza de Jesus)

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Escrevendo uma nova história...


Giz 
(Legião Urbana)

E mesmo sem te ver
Acho até que estou indo bem
Só apareço, por assim dizer
Quando convém aparecer
Ou quando quero
Quando quero

Desenho toda a calçada
Acaba o giz, tem tijolo de construção
Eu rabisco o sol que a chuva apagou
Quero que saibas que me lembro
Queria até que pudesses me ver
És, parte ainda do que me faz forte
Pra ser honesto
Só um pouquinho infeliz

Mas tudo bem
Tudo bem, tudo bem...
Lá vem, lá vem, lá vem
De novo
Acho que estou gostando de alguém
E é de ti que não esquecerei....

Boa tarde querido amigos do blog, venho aqui com muita alegria para dividir com vocês minhas novas emoções, vou ser mamãe novamente!!! Estou com 13 semanas, muito feliz, mas confesso a vocês que com muito medo. Isso acho que vou ter o resto da vida, mas tenho que aprender a controla-lo. Já fiz duas ultrassonografias e até agora está tudo bem, minha pressão e meus exames estão ótimos, tenho muita fé que dessa vez vai ser diferente.
Posso dizer a mãezinhas de anjos que a dor pela perda da minha pequena Cecí aliviou muito com essa nova notícia, mas nunca vou esquece-la. As vezes me pego pensando se o bebê (ainda o chamo assim pois não sabemos se é menino ou menina), vai ser parecido com a mana, com aquele rostinho e com aqueles lindos cabelinhos louros dela. Claro que pensamentos de medo de perde-lo também acontecem, mas não quero passar meu minha insegurança para o bebê, por isso quando esses pensamentos surgem, eu me distraio com outras coisas, como no planejamento do seu quartinho, no meu trabalho. 
Esse dia dos pais foi um pouquinho diferente do ano passado. Naquele eu e meu marido choramos muito, neste foi um misto de saudade da pequena e alegria pelo maninho (a) que esta por vir. O papai até ganhou uma foto dos dois....
Gostaria que vocês mãezinhas de anjos que estiverem acompanhando o blog não percam as esperanças, nenhum outro filho substitui nossos anjos, mas podem nos preencher um espaço vazio no coração. Sejam eles biológicos ou de coração, uma criança é sempre uma benção!!! 

 

sexta-feira, 25 de julho de 2014

"Um pouco de sol no escuro do quarto"



Um pouco de sol no escuro do quarto
Mãe é um pouco de sol no escuro do quarto..., disse, certa vez, um poeta inspirado, ao homenagear essa figura inigualávelque o Criador escolheu para nos receber na Terra.
Ainda há tanta escuridão nos quartos de nossa alma... que qualquer pouco de sol faz verdadeira clareira de esperança.
São tantas incertezas, tantos medos, tantos ódios, tantos vícios... numa meia-noite, que parece congelada no relógio.
O tempo da escuridão parece que passa lento... Ou não passa.
Alguns desistem de tudo, mas depois descobrem que é impossível fugir de si mesmos, e o breu continua... Continua...
Mas Deus não deseja a escuridão, aliás, para Ele, ela é apenas a luz que ainda não é – o vir a ser lúmen.
Por isso enviou ao mundo as mães... Suaves raios de sol na escuridão de nossas vidas.
O amor da mãe, da mãe verdadeira, é o mais próximo que encontramos do amor do Criador, por isso é tão luminescente.
Em primeiro lugar ele recebe, ele acolhe – quem quer que seja, sem julgar, semquestionar, sem medir esforços.
Esse amor sustenta, não desampara, cuida, olha, amamenta, protege.
Mais tarde orienta, educa, direciona, ensina.
Muitas vezes socorre, atende, ampara.
E, enquanto vai fazendo isso, sem pedir nada em troca, vai mostrando ao mundo como se deve amar.
O raio de sol, além de iluminar, vai provocando em cada um a vontade de ser luz, como se nos lembrasse que somos feitos para brilhar, ou feitos pra amar.
Quem passa pela experiência da maternidade jamais é a mesma.
Tem a oportunidade de viver o amor num grau absolutamente encantador.
Muitos ódios de séculos se desfazem através da maternidade bem atendida.
Mágoas milenares perdem forças, dia após dia, mediante a envergadura moral desse tipo de amar, um amar que não tem volta, que jamais se esquece.
Mesmo vivendo diversas vidas, você sempre irá se lembrar desta que é hoje sua dedicada mãe. São amores que ficam gravados nas telas da alma, como a pintura dos grandes artistas, das quais jamais se esquece.
São fotografias que tiramos com o coração e colecionamos através dos séculos e, quanto mais álbuns de mães nós temos, mais gratos somos à vida, ao Criador.
Mãe é um pouco de sol no escuro do quarto.
E quem não abraça essa missão com a seriedade e paixão que ela merece, perde chance inestimável de existência.
Perde a oportunidade de servir ao mundo como Cristo tão bem serviu, sem interesses próprios, sem egoísmo, sem orgulho algum.
Carregar alguém nos braços, enquanto esse alguém ainda não sabe caminhar, é gesto grandioso, é gesto divino.É simbólico também.
Simboliza o amor daquele que é maior, carregando o menor, não o desmerecendo, não o humilhando, mas o promovendo e depois, a seu tempo, ensinando-o a andar por si só.
Jesus fez isso conosco. Jesus é o irmão mais velho, ao mesmo tempo, pai e mãe, pela experiência, e pela segurança que transmite.
Ele ainda está conosco, e sorri emocionado toda vez que percebe a grandeza do amor no coração de uma mãezinha do mundo.
Redação do Momento Espírita.
Em 24.7.2014.


Realmente, é um amor que não tem volta que fica gravado na alma. Mães de anjos serão mães eternamente, mesmo não podendo mais carrega-los no colo, ensinar a caminhar, leva-los para passear, ninar... Seremos sempre mães de coração e alma. A diferença é que a lembrança de nossos anjos é que são um pouco de sol no quarto escuro. Essa foto é a vista do quarto do hospital em que minha pequena nasceu na cidade de Rio Grande - RS. Ela sempre foi e sempre será meu sol nos dias escuros. Pequena Cecí, um amor eterno que só aumenta.  

segunda-feira, 16 de junho de 2014

O que importa agora?


"Não importa do que é o mundo... o importante, são os seus sonhos... 
Não importa o que você é... o importante é o que você quer ser... 
Não importa onde você está.. o importante é para onde você quer ir... 
Não importa o porquê... o importante é o querer ...
Não importa suas mágoas... o importante mesmo, são suas alegrias...
Não importa o que você já passou.. o passado guarde na sua lembrança
Não veja; apenas olhe...
Não escute; apenas ouça...
Não toque; sinta...
O mundo é um espelho; não seja apenas um reflexo
Só acreditando no futuro você conseguirá a paz para alcançar seu sonhos...
Afinal, o que importa ? Você importa ..."


Queridos pais, parentes e amigos de anjinhos gostaria de compartilhar com vocês alguns fatos que se passaram comigo na semana passada que considero reveladores. Tivemos a partida de um primo mto querido tentamos consolar a família de todas as formas, mas sabemos que isso é mto difícil.  Recebemos a visita de um primo a quem julgávamos estar precisando de ajuda e quem nos ajudou foi ele. Ele nos disse a seguinte frase: 
"O anjo de vocês é lindo, mas ela não está mais aqui e vocês sim. Precisam parar de olhar para passado e só olhar para o futuro a partir de agora. Vocês nunca nunca vão esquece-la, mas procurem pensar menos em tudo que aconteceu."
Se eu ouvisse isso a alguns meses  atras ficaria realmente brava e pensaria: "ele fala pq não sabe o que é passar por isso e mesmo que conseguisse não quero esquecer minha filha." 
Mas hoje vejo com clareza que realmente preciso fazer isso, não esquecer minha filha pois isso nunca vai acontecer, mas viver e olhar para frente. Preciso deixar o passado apenas na lembrança, como diz o texto acima, e não revive-lo várias vezes ao dia. Percebo que cada fase do luto é uma fase. Precisamos viver todas é claro, mas em algum momento temos que acordar pra vida e não desistir de ser feliz. Na hora de dormir, o pior momento pra mim, estou fazendo um treinamento. Lembro de tudo que vivi com ela e me imagino guardando todas essas imagens em uma linda caixa. Deposito essa linda caixa em um cantinho bem no fundo do meu coração. Sei que ali vai sempre existir uma ferida, pequena, mas uma ferida que nunca vai cicatrizar. Algumas vezes vai sangrar, doer e até me fazer feliz, mas vai ser um cantinho apenas. Depois imagino o resto do meu coração preenchido por todas as coisas boas que tenho, minha familia, meu marido, minha casa, meus animais, minha profissão. E assim impressionantemente consigo dormir mais rápido e mais tranquila. Se o que estou fazendo é certo eu não sei, mas sei que minha Cecília iria se orgulhar de ver a mãe dela tentando superar as dificuldades e voltar a viver de verdade. E ai... vamos tentar??? 

sábado, 7 de junho de 2014

Amor Incondicional




 Incondicional
"Só podemos encontrar paz e felicidade no amor quando abrimos mão das condições que colocamos no nosso amor pelos outros.
Assim inicia um dos capítulos da obra Os segredos da vida, a doutora Elizabeth Kübler-Ross, célebre estudiosa suíça, pioneira devotada ao trabalho com pacientes terminais.
Continua ela dizendo que geralmente impomos as condições mais duras àqueles que mais amamos.
O processo de abandonar condições e expectativas é extremamente difícil, porque, desde que nascemos, nos ensinaram o amor condicional.
Seríamos amados se fôssemos dóceis, obedientes, estudiosos, bem-comportados e por aí adiante. Havia sempre um “se”.
A escritora ainda afirma que uma das poucas ocasiões em que recebemos amor incondicional é quando nossos filhos são bem pequenos.
Eles não se importam com nosso status, o nosso dinheiro ou as nossas realizações. Eles simplesmente nos amam.
Somos nós que acabamos lhes ensinando a colocar condições no amor quando os recompensamos ao sorrir, tirar boas notas e ser o que queremos que eles sejam.
Se amássemos nossos filhos apenas um pouco mais incondicionalmente, por um pouco mais de tempo, talvez pudéssemos criar um mundo muito melhor para se viver."

Achei que eu poderia ensinar tudo a minha pequena Cecília, como andar, falar, escrever, dançar... toda a gestação conversávamos sobre como ela seria. O papai babão dizia iria ensinar ela a laçar e ela iria ser uma ótima laçadora. Já a mamãe dizia que iria leva-la em aulas de Ballet e que ela saria a melhor bailarina do mundo. Claro que se ela não gostasse de laçar e nem de dançar iriamos ama-la da mesma forma. O que muitos pais não percebem é que independente do que o seu filho goste, faça ou se comporte... acredite é uma benção pois ele esta ao seu lado. Acredite mais, confie mais, apoie mais...
No fim de tudo eu não pude ensinar nada a minha pequena, ela é que me ensinou a viver mais, aproveitar cada minuto a mais e principalmente a amar mais... cada vez mais!!!!

segunda-feira, 28 de abril de 2014

Eu sei que vou te amar



Eu sei que vou te amar 
(Tom Jobim)

Eu sei que vou te amar
Por toda a minha vida eu vou te amar
Em cada despedida eu vou te amar
Desesperadamente, eu sei que vou te amar

E cada verso meu será
Pra te dizer que eu sei que vou te amar
Por toda minha vida

Eu sei que vou chorar
A cada ausência tua eu vou chorar
Mas cada volta tua há de apagar
O que esta ausência tua me causou

Eu sei que vou sofrer a eterna desventura de viver
A espera de viver ao lado teu
Por toda a minha vida

Dia 11 de abril você completaria 1 aninho de vida, isso não aconteceu, mas meu sentimento por ti só aumenta amor da mamãe. Por toda minha eu vou te amar minha filha, parabéns.

sexta-feira, 21 de março de 2014

Atravessando o sofrimento



ATRAVESSANDO O VALE DO SOFRIMENTO

Quando você estiver passando por uma grave sofrimento, não hesite em chorar…

Chore, chore o quanto for necessário, e coloque tudo de ruim para fora. Não tenha vergonha. Chorar não te faz fraco, ao contrário: permitir que o sentimento flua te faz mais forte. Aqueles que prendem o choro não conseguem lidar com suas emoções, e essas as controlam. Portanto, chore, sem receio…

Libere toda a emoção retida. Solte tudo que esteja preso dentro de você. Visualize uma fumacinha negra saindo do seu peito. Desprenda-se.

Depois de chorar e de liberar todo o sentimento reprimido e engasgado, ore….

Faça uma oração, depois faça outra, e outra… Ore até sentir que sua energia vai se elevando, se elevando… até você se sentir envolvido de energias boas, energias calorosas, que te acolhem… até você sentir paz… até você sentir que suas emoções negativas vão sendo purificadas. Ore um Pai Nosso, uma Ave Maria, e faça uma oração sincera, de coração, colocando todo o seu ser naquela prece.

Não ore pedindo apenas… Ore simplesmente para se sentir mais próximo do Senhor, para se harmonizar com Deus. Sinta o calor divino esquentando seu peito. Entregue-se à oração e a Deus com toda a confiança.

Depois disso, perdoe as ofensas; perdoe as calúnias, perdoe o mal que qualquer pessoa tenha te feito. O perdão é purificador e libertador. Perdoe, pois você também não é perfeito, e pode errar. Perdoe e entenda que cada pessoa tem um nível de desenvolvimento. Faça como Jesus e diga “Pai, perdoe-os, pois eles não sabem o que fazem”. Perdoe 7 vezes 70 vezes. Emane vibrações de amor, paz e bem àqueles que por ventura te fizeram mal. Você se sentirá muito, muito melhor…

Depois disso, não peça a Deus que diminua o peso de sua cruz, peça mais força para conseguir conduzir sua cruz para onde ela tiver que ir. Deus jamais te daria uma cruz mais pesada do que você pode carregar. Por isso confie em Deus. Se nem os homens fazem cadeados sem chaves, Deus, que é a inteligência infinita de todo o universo, jamais te colocaria dentro de um problema que não tivesse solução.

Nesse ponto, entregue seu problema a Deus. Faça isso da seguinte forma: Visualize seu problema, dê uma forma a ele, qualquer uma. Depois que seu problema tiver sido formatado, jogue para bem alto e veja ele se integrar ao infinito, ao plano divino. Pense mais ou menos assim: “Deus, nesse momento, eu entrego esse meu problema a Ti. Rogo que me dê sabedoria e me conceda os sinais necessários para que atravesse com fé e resignação esta dura provação.”

Abra sua mente. O sofrimento deve nos ajudar a abrir os olhos para novas possibilidades. Sempre que perdemos uma coisa, ganhamos outra. Todo fim é sempre um novo começo. Quando descemos ao fundo do poço, não há mais para onde cair, então é o momento em que tudo começa a melhorar. Portanto, amplie sua visão e veja aquilo que, até agora, você não conseguiu ver. A solução do seu problema pode ser mais simples do que você supõe. E lembre-se que aquilo que não tem remédio, remediado está.

Não perca a fé e siga em frente. A única coisa que você não pode fazer ao enfrentar o vale de lágrimas da existência mundana é deixar de caminhar. Continue sua peregrinação neste mundo de espinhos e trevas… Olhe para frente e siga. Quem pára, perece. Quem continua caminhando, mesmo sujo com a mais densa lama, e mantém sua fé, faz brotar uma chama sagrada em seu interior e se liberta do sofrimento.

Jamais se esqueça: não há mal que sempre dure…. Um dia, mesmo que demore, tudo isso irá se encerrar, e o que sobra é apenas uma pequena lembrança. Quando você despertar desse profundo sonho de muitas ilusões será recebido nos planos superiores, de braços abertos, comemorando o grande sucesso do cumprimento de sua missão na Terra…

Autor: Hugo Lapa 

segunda-feira, 10 de março de 2014

Um novo começo


 "Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora e fazer um novo fim."
Frase linda de Chico Xavier e que eu não conseguia liga-la a minha vida, ao meus sentimentos, pois minha Cecília jamais iria voltar. 
Com o nascimento do meu primeiro sobrinho compreendi que realmente ninguém vai substitui-la, mas no meu coração tem tanto espaço vazio que "pessoinhas" tão frágeis e pequeninas como ele podem ocupar e confortar esse coração vazio de uma mãe sem sua filha. Claro que não pensei sempre assim, qd descobri que minhas irmãs estavam grávidas (as 2) chorei mto lembrando da minha gestação e perguntava pra Deus pq nesse exato momento eu seria tia, ainda sentia tanto a perda da minha princesa que não sabia se conseguiria amar ou mesmo demonstrar esse amor a outra criança. Mas quando peguei meu primeiro sobrinho no colo entendi pq Deus o mandou nesse exato momento. Mandou para que ele enche-se o coração da minha família de esperança e para preencher um espacinho no meu coração que andava tão vazio.
Crianças são sempre bençãos de Deus, ficando elas na terra ou voltando para os braços do pai.
Fiquem com Deus 

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

mães sem nome


Linda reportagem apresentada pelo fantástico e mais linda a iniciativa dessas mães que criaram o Mães sem nome. Concordo plenamente com uma frase de uma mãe:
"Não existe superação, mas sim transformação". Acho que podemos transformar nossa dor em amor ao próximo, nosso trauma em sonho. Não que eu ja tenha conseguido isso, mas nunca vou parar de tentar.

http://g1.globo.com/fantastico/videos/t/edicoes/v/maes-que-perderam-filhos-se-unem-para-enfrentar-perda/3135934/

Parabéns minha anjinha linda... hoje você completaria 10 meses. É... há 10 meses nascia minha anjinha que mudaria completamente minha vida. Te amo

sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Saudade da pequena "dama da noite"



Ontem foi o dia da saudade, se é que para mães de anjos podemos dizer que um só dia do ano é reservado pra isso. Acredito que para todas nós sejam 365 dias ao ano.
Ontem ao sair de casa para trabalhar percebi uma linda flor no meu jardim, era uma flor muito grande (quase 30 cm de diâmetro), oriunda de um cactos muito sem graça. Não conheço muito sobre plantas, mas estou me interessando pelo assunto pois agora moro em uma chácara. Pois bem, quando vi aquela linda flor as 07:30 da manhã me deu uma súbita vontade de chegar perto e apreciar. Já estava no carro, desci e fui la tirar fotos dela. Quando cheguei no trabalho e mostrei, uma conhecedora de plantas me disse que achava se tratar de uma "dama da noite". Uma flor de cactos que pode demorar anos para florescer e quando florescem duram apenas uma noite. Fiquei intrigada e fui pesquisar e encontrei isso:

"A  flor do Hylocereus undatus tem hábitos noturnos, desabrocham ao anoitecer e ficam abertas até o nascer do sol." 

Nunca tinha visto uma flor tão linda e pensei que era uma pena ela durar tão pouco.  Cheguei em casa ansiosa para ver se ainda havia restado alguma, mas não... realmente elas duram apenas algumas horas. Isso me fez lembrar minha pequena, a coisa mais linda que eu já vi, mas ficou tao pouco conosco. Minha pequena Cecí também poderia ser chamada de pequena "dama da noite", pois nasceu em uma madrugada (11/04) e foi embora em outra madrugada (30/04).
A vida da flor "dama da noite" e da minha pequena são muito parecidas, lindas, majestosas, encantadoras, pararam meu olhar e meu coração no minuto em que as vi pela primeira vez. 
Porém, o momento com elas foi tão breve, viveram tão pouco, assim como as mais belas coisas da vida, mas o tempo ao lado delas foi suficiente para ambas se tornarem inesquecíveis para mim!

Te amo minha pequena flor "dama da noite"


Saudade

Na solidão, na penumbra do amanhecer 
Via você na noite, nas estrelas, nos planetas, 
nos mares, no brilho do sol e no anoitecer
Via você no ontem, no hoje, no amanhã...
Mas não via você no momento.
Que saudade
                                                                                 
                                                                              (Mário Quintana)

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

"Para além do sofrimento"


Boa tarde queridos pais de anjos e amigos....
Gostaria de dividir com vocês um capitulo de um livro que estou lendo. Este capitulo é muito explicativo e nos alerta sobre os perigos da dor em decorrência de uma perda. É um livro espirita, mas este capitulo se refere apenas aos sentimentos e atitudes dos que aqui ficaram, muito útil para nós pais de anjos.
Espero que gostem!!! Beijos